E foi-se o TDC
Wanderley Caloni, 2011-07-07: blogging, eventos, palestras

Dessa vez, talvez pelo dia de semana, havia poucos participantes. Isso, contudo, não evitou que o conteúdo e a qualidade das palestras fosse, como sempre, de alto nível.

Infelizmente, só cheguei a partir da palestra de Antonio Ribeiro sobre uma Simulação Distribuída focando no trânsito de São Paulo. Há tempos esse é um tema debatido e ainda acredito que a tecnologia ainda vai resolver isso da melhor maneira possível: cada um em sua casa.

Depois do agradável almoço, onde tive a oportunidade de rever DQSoft e conversar sobre leituras de ficção-não-necessariamente-científica, participamos de um pequeno review sobre escrita de código seguro. Ao menos não tivemos que ouvir novamente algum representante da Microsoft falando sobre a famigerada lib que refazia as funções do C para a versão com copyright_s.

Então chega a vez da palestra mais bagunçada: a minha. Juro que perdi totalmente o fio da meada no início, e quanto mais me esforçava para lembrar o que devia ser dito, mais esquecia. Então resolvi partir direto para o hands-on, onde consegui, imagino eu, com um ritmo adequado, demonstrar todo o cenário da análise do Dicionário Houaiss que tinha feito anos atrás. E pelo visto, muitas pessoas gostaram, pois fui abordado por três ou quatro participantes muito simpáticos e entusiasmados com o tema. Talvez seja hora de voltar para esse submundo mais um pouquinho, fazer coisas mais _hardcore _pra variar…

Depois do coffee-açucarado-_break_, tivemos a palestra mais interessante do dia: desenvolvimento de microkernels, apresentado por Rodrigo Almeida, professor de Eletrônica e Programação de Embarcados da Unifei. Não só o tema me interessou ao máximo, como a didática da apresentação foi impecável, abordando tanto os pontos for-dummies quanto um gostinho do que seria fazer por nós mesmos um controle intermediário entre a placa e os programas.

Ao final, nosso mestre-de-cerimônias habitual Alberto Techberto Fabiano fez a abertura de um painel tentando mesclar problemas + experiência + vontade de aprender. Dos assuntos que me lembro, chamou a atenção o fato dos profissionais da linguagem (C/C++) estarem escasseando cada vez mais e também o fato de nosso Grupo C/C++ parecer praticamente invisível aos olhos do Google, pois parece que quase ninguém consegue encontrar o dito cujo.

Infelizmente, alguns compromissos inadiáveis me fizeram ter que sair pela esquerda e esquecer o Lado B da questão. Felizmente, esse não é o nosso último encontro, e espero participar de futuras oportunidades de me integrar à nossa agora, como diz meu amigo Pikachu, comunidade maçônica.