O bom filho à casa retorna
Wanderley Caloni, 2007-06-15: devaneando, palestras, novidades

Depois de seis meses blogueando em um novo domínio, que seria totalmente focado em C++, descobri que não consigo viver escrevendo apenas sobre a linguagem em que programo. Não é que falte assunto. Simplesmente meu dia-a-dia nunca se resume apenas em regras de sintaxe e erros de compilação.

Por outro lado, aprendi muitas coisas novas desde o começo desse ano. Decorei novos comandos do Windbg, novos atalhos no Google Reader. E fiz outras tantas coisas novas também. Projetei um sistema de comunicação entre processos - versão alfa, tudo bem, mas projetei. Decifrei o formato do banco de dados do dicionário Houaiss para poder usá-lo no Babylon. E por aí vai.

E por falar em escovação de bits, apresentei mais duas vezes aquela palestra sobre engenharia reversa. O curioso é que, em vez de eu aumentar o conteúdo da transparência, eu diminuo. Talvez isso seja uma ingênua tentativa de tornar a apresentação menos enfadonha e mais interessante para o público em geral, por mais leigos que eles sejam. Nessa última versão (3.0) cheguei a explicar o processo de análise dos cavalos de tróia dentro da Open Security, desde a descoberta da ameaça até a implementação da cura.

Engenharia Reversa para Principiantes from Wanderley Caloni

Depois de todas essas aventuras percebi que meus conhecimentos em C++ não aumentaram nem um pouco. Talvez um pouco, mas culpa da nossa fascinante lista de discussão sobre C++ aqui no Brasil, que esmera nos detalhes. Porém, por mim mesmo não aprendi nenhuma biblioteca nova do Boost. Não desenvolvi nenhuma artimanha nova usando templates e herança múltipla (obs: com uma perna só). Enfim, não aprendi nem fiz nada relevante com o tema C++ nos últimos seis meses.

E isso me leva de volta para cá, o cantinho de onde nunca deveria ter saído. Mas aprendi a lição. Estarei por aqui de agora em diante, pronto para escrever sobre o que fizer parte dos meus dias de programador. Não irei cair novamente nas ilusões de um pensamento purista e inadequado à minha realidade de escovador-de-bits-estamos-aí-para-o-que-der-e-vier. Afinal de contas, a gente depura mas se diverte.