Mastery: The Keys to Success and Long-Term Fulfillment
Wanderley Caloni, 2017-03-14

#livros #produtividade #auto-ajuda

O livro de George Leonard é um curto e didático passeio através dos mistérios que tornam o ser humano cada vez mais habituado ao seu “eudaimonia” aristotélico, ou seja, o estado de plenitude do ser que está ao alcance de todos que se derem a liberdade da melhora contínua em qualquer coisa que fizermos nesse mundo.

Ele parte do princípio que para melhorarmos em qualquer aspecto de nossa vida, seja uma habilidade em um esporte ou na cozinha ou até na faxina, é necessário amar a prática do dia-a-dia e se esforçar de vez em quando para atingir cada vez níveis mais altos, em uma graduação torta, mas constante, de auto-melhora progressiva e agradável. Seria a síntese da vida no próprio conceito aristotélico, onde a virtude do ser humano está em atingir a perfeição de cada uma de suas virtudes e tentar sempre manter-se em equilíbrio.

Como contra-exemplos ele cita três típicos personas que tentam burlar o caminho duro e legítimo da auto-melhora:

  1. The Dabbler. Esse é o que queima no começo e logo depois desiste.
  2. The Obsessive. Esse é o obstinado em sempre melhorar, mas que por isso mesmo entra em uma espiral de terror e auto-mutilação.
  3. The Hacker. Esse é o que adora atalhos, mas nunca consegue manter-se firme pela falta da excelência na prática.

Leonard é incisivo contra a cultura americana que foca nos resultados em vez de no caminho para a perfeição. Ele também é crítico de nossa cultura imediatista do Ocidente, que desiste fácil quando algo é difícil, e que quer a todo custo o prêmio instantâneo do que o prazer de sentir estar melhorando a cada novo dia. Ele de certa forma flerta com o caminho das pedras que os russos parecem dominar tanto, onde para se aprender bem algo é necessário prática, prática e… prática.

Através de cinco dicas-chave, instruction, practice, surrender, intentionality e the edge, o autor nos explica a forma com que o dia-a-dia se traduz de maneira simples em como receber instrução válida para melhorar, a prática contínua, a capacidade de abrir mão do ego e obedecer às ordens do mestre de maneira honesta, a visão clara do objetivo para que não se perca no caminho, e, por fim, aquele boost temporário que irá te levar para o novo nível, sempre ligeiramente acima do anterior, e que após uma pequena queda irá lhe colocar em um novo patamar, onde através da constância irá te manter lá.

Até o próximo boost.

Depois há uma visão dos perigos mais comuns que nos levam para longe da prática do mastering, e como evitá-los ou tratá-los. É um guia simples, e como todo o livro, fácil de acompanhar e lembrar.

Por fim, seus últimos capítulos são mais voltados para a prática esportista e o uso do exercício físico contínuo para conseguir energia e se manter eternamente como um mestre: disposto a se entregar pela auto-melhora. Sempre um eterno aprendiz.

Citações Favoritas

To love the plateau is to love the eternal now, to enjoy the inevitable spurts of progress and the fruits of accomplish- The Master’s Journey 49 ment, then serenely to accept the new plateau that waits just beyond them.

Ultimately, the master and the master’s path are one.

In terms of energy, it’s better to make a wrong choice than none at all.

Ultimately, nothing in this life is “commonplace,” nothing is “in between.” The threads that join your every act, your every thought, are infinite. All paths of mastery eventually merge.

Are you willing to wear your white belt?

“Mastering” está disponível em formato físico na Amazon e outras livrarias, e no formato ebook em coleções particulares. Não sei se há tradução em português.