A Última Gargalhada

Caloni, January 21, 2019

External image

A Última Gargalhada é daqueles exemplos de produção Netflix que não precisa existir no mundo. É sobre uma história sem tensão, sem motivação e sem paixão. Um conselho: viva sua vida no lugar de assistir esse filme; será capaz de sonhar mais do que acompanhar essa série televisiva de um episódio apenas de uma hora e meia.

Se trata de uma história que lembra aquela do Bill Murray como agente de celebridades que vai parar na guerra (Rock em Cabul, que também é ruim), só que com gente mais velha ainda que Murray e sobre comediantes para a gente inserir aquelas piadas de internet… não sou eu que estou falando. Só estou imaginando o que alguém da produção deve ter argumentado para tirar a ideia do papel e escalado Chevy Chase para fazer esse Bill alternativo.

Sou fã de Chase em dois dos seus melhores trabalhos: como o pai de família na série Férias Frustradas e 100 anos depois como o velho entediado que fazer fazer faculdade no sitcom Community. Sua persona está nos dois trabalhos porque Chase não é um ator versátil. Observe suas caras e bocas dessas duas épocas e me diga que a única diferença não são as rugas? Bom, aqui temos mais de Chase em Community, mas sem os excelentes diálogos.

Já o outro ator, Richard Dreyfuss, não faz feio. Ele sabe conquistar com simpatia e convence com cada grupo de piadas que sai contando em cada buraco que o personagem de Chase o leva depois que os dois resolveram continuar o trabalho que ele havia abandonado por cinquenta anos. É quase como se o filme fosse conseguir ser simpático do começo ao fim e ainda ter uma mensagem de esperança para todos os velhos do mundo que assinam Netflix.

Não tão cedo. A produção é barata e o diretor não tem o menor pudor em conduzir seu filme como o mesmo comercial que Chase assiste no começo do filme sobre um asilo (talvez ele tenha dirigido esse também). Claro que fica difícil com um roteiro derrotista como esse, que entrega situações fáceis e clichês porque é isso o esperado pela plateia, muito embora com isso ele não seja muito fiel aos seus heróis, que estão dispostos a mais do que uma comédia leve de sessão da tarde.

O problema da produção existe até na edição. Perceba como tudo vai acontecendo rápido demais, o que impede que percebemos que o que acontece no filme praticamente não altera em nada a história. São contratempos irrisórios. Eu já tive viagens onde havia mais riscos que essa.

Inserindo uma garota no meio porque o personagem de Chevy Chase precisa transar e inserindo no final do filme o filho do outro cara porque… bom, sei lá por que, A Última Gargalhada é pior do que começar uma série que você não vai gostar. No pior dos casos só terá perdido uma hora da sua vida em um piloto ruim.

A Última Gargalhada ● The Last Laught. EUA, 2019. Escrito e dirigido por Greg Pritikin. Com Chevy Chase, Richard Dreyfuss, Andie MacDowell. ● Nota: 2/5. Categoria: movies. Publicado em 2019-01-21. Texto escrito por Caloni. Quer comentar?