Babe O Porquinho Atrapalhado na Cidade

Caloni, January 30, 2012

External image

Se “Babe, o Porquinho Atrapalhado” era fofinho do começo ao fim, e continha um roteiro elegante que fechava suas pontas, aqui parece que inverteram feio a ordem dos eventos, gerando o que é devidamente nomeado por um dos capítulos em que se divide como A Teoria do Caos. Não é à toa: se no primeiro filme tínhamos já um pano de fundo que nos remetia à visão de A Revolução dos Bichos sob o aspecto da mobilidade social, aqui temos a cidade grande como palco, e os animais, assim como as pessoas, vivem uma espécie de anarquia não-solidária, onde a ajuda geralmente vem de onde menos se espera.

Mais uma vez uma direção de arte abusada pela liberdade do conceito de fábula cria cenários que primam pelo inusitado ou exagerado, criando, por exemplo, uma megalópole que junta pedaços marcantes de várias cidades ao longo do planeta. Dessa forma, vemos as Torres Gêmeas (na época ainda de pé) brilharem ao lado da Torre Eiffel, e onde até o Cristo Redentor possui seu espaço. Mesmo o vilarejo isolado onde ocorre a maior parte da história é uma mini-Veneza que contém traços da Ásia e do Oriente Médio.

A falta de solidariedade entre as pessoas em um ambiente como esse é retratado de maneira fabulosa por George Miller ao agrupar os diferentes animais por sua espécie, como uma forma de proteção e auto-afirmação. Ao mesmo tempo, a vinda de um “estrangeiro” (o porco) ao ambiente nos remete aos mesmos preconceitos do filme original, e onde mais uma vez experimentamos essa dinâmica sob o ponto de vista de um filme bonitinho com animais falantes.

Porém, dessa vez o resultado não é tão bonitinho quando assistimos a planos que remetem diretamente ao caos que se forma nesse ambiente desarmonizado e onde atos de crueldade, como deixar um cão à mercê da morte, parece ser uma condição natural daquela selva. “Babe na Cidade” pode ser visto como trágico na maioria dos seus momentos, e inesperadamente singelo em outras. De qualquer forma, o ponto forte do filme continua sendo a dinâmica entre os animais, e o fato de ali a dinâmica ser diferente é prova da inteligência de seus idealizadores, que perceberam como o ambiente molda o caráter de seus habitantes.

Ainda que com um roteiro não tão redondo ou criativo quanto o original, “Babe 2” com certeza é digno de nota.

Babe O Porquinho Atrapalhado na Cidade ● Babe O Porquinho Atrapalhado na Cidade. Babe: Pig in the City (Australia, 1998). Dirigido por George Miller. Escrito por George Miller, Judy Morris, Mark Lamprell, Dick King-Smith. Com Magda Szubanski, James Cromwell, Mary Stein, Mickey Rooney, Elizabeth Daily, Danny Mann, Glenne Headly, Steven Wright, James Cosmo. ● Nota: 4/5. Categoria: movies. Publicado em 2012-01-30. Texto escrito por Caloni. Quer comentar?