Coisas Belas E Sujas

Caloni, April 30, 2012

External image

No começo, assistimos à rotina de Okwe (Chiwetel Ejiofor) em seus inúmeros empregos, incluindo taxista clandestino no aeroporto e recepcionista de um sombrio hotel nos subúrbios de Londres. O clima opressivo e pessimista apenas aumenta conforme a história se desenrola, e a única esperança de paz parece residir nas gavetas do IML, junto do único amigo de Okwe. Vemos tudo sob o ponto de vista de Okwe, o que não é necessariamente uma coisa boa.

Todos os personagens que encontramos nesse pedaço de mundo esquecido possuem suas funções nessa alegoria da imigração ilegal. Estão todos mais ou menos ligados ao que ocorre nos quartos mais obscuros do hotel que Okwe trabalha, inclusive sua colega de domicílio, a bela e assustada Senay (Andrey Tautou, que consegue uma competente personificação que consegue retirar parte de sua doçura vista em O Fabuloso Destino de Amelie Poulain). Uma intrincada rede de relações é montada, e cada situação aumenta o significado da vida dessas pessoas. O fato de Okwe ser médido não é por acaso, assim como não é o acaso que faz com que seu companheiro de partidas de xadrez lide diretamente com a morte (e nesse sentido o filme faz uma bela, mas igualmente obscura referência ao O Sétimo Selo e a partida de xadrez entre o cavaleiro das Cruzadas e o diabo em pessoa).

Mas quem realmente faz diferença é Chiwetel Ejiofor, pois é através de seu olhar cuidadoso que observamos e vamos aos poucos percebendo o horror em que essas pessoas vivem e o horror dentro de algumas dessas pessoas. O dia e a noite se misturam em uma fotografia sombria e que apenas se diferencia pela cor dominante, enquanto uma trilha sonora seca e quase imperceptível marca a passagem do tempo. Uma história mental, mas que aqui consegue empregar um ritmo que nunca se perde graças a um roteiro e direção coesos com uma montagem que privilegia as excelentes tomadas do diretor, que oscilam entre um close do recepcionista e o que ele vê. Sem contar que o jejum de sono faz com que a câmera também oscile em torno de relógios e de ângulos muitas vezes distorcidos, mas nunca deixando sua hábil manipulação do tempo.

Com um final enfraquecido justamente por dar ao espectador um pouco de alívio, só que falso, de que vai ficar tudo bem (quando na verdade nada mudou), a situação apresentada está longe de mudar. Nesse sentido não é tão corajoso, por exemplo, quanto O Jardineiro Fiel. Mesmo assim, uma agradável surpresa para quem procura por um olhar diferente sobre a cidade de Londres e suas injustiças ocultas.

Coisas Belas E Sujas ● Coisas Belas E Sujas. Dirty Pretty Things (UK, 2002). Dirigido por Stephen Frears. Escrito por Steven Knight. Com Chiwetel Ejiofor, Audrey Tautou, Sergi López, Sophie Okonedo, Benedict Wong, Zlatko Buric, Kriss Dosanjh, Israel Oyelumade, Yemi Ajibade. ● Nota: 4/5. Categoria: movies. Publicado em 2012-04-30. Texto escrito por Caloni. Quer comentar?