Superman: o Filme

Caloni, August 12, 2010

External image

Cercado de evocações épicas em seus quadros, no tom solene da partida de Krypton (protagonizada por ninguém menos que Marlon Brando) e até mesmo na fotografia dos diversos ambientes em que vemos o personagem-título, o fato é que “Superman — O Filme” funciona bem exatamente por tudo isso junto, ainda aliado às convincentes interpretações dos personagens, uniformes em suas representações do mundo fantasioso vivido pelo homem de aço, que estranhamente não soa piegas ou exagerado, mas possui o tom cartunesco corretíssimo para manter a lenda e ao mesmo tempo não se levar a sério demais.

Ambientado na época “contemporânea”, acompanhamos através de diversos momentos-chave a infância e adolescência do herói até atingir a maturidade e conseguir um emprego de repórter no jornal Planeta Diário, da cidade grande Metrópolis. Seu nome humano é Clark Kent (Christopher Reeve), e ele possui uma queda por uma repórter efusiva, Louis Lane (Margot Kidder), que parece caçar grandes notícias, mas não enxerga um palmo diante do seu nariz, onde o agora conhecido super-herói da cidade se mantém disfarçado apenas pelos seus óculos e um jeito atrapalhado que contracena com toda a pose e atitude de Kar-El.

Seu vilão, o igualmente equilibrado (ou deveria dizer desequilibrado?) Lex Luthor (Gene Hackman), oscila confortavelmente entre o picareta e a megalomania. Seu plano maligno é obter um pedaço de terra do tamanho da Califórnia e ficar milionário às custas da morte de milhões. A conversa com Superman adquire tons de cavalheirismo desconhecidos ainda do Kryptoniano, que parece querer desvendar o que há por trás da loucura de alguns humanos.

A solução do conflito toma um contorno totalmente diferente do imaginado, o que é ótimo. Os sentimentos de Superman são pessoais, mas indiretamente ele acaba por firmar um pacto com os seres humanos e o seu destino. Uma bela mensagem de esperança sem soar religioso ou filosófico demais. No entanto, há algo de divino na interpretação de Reeve que ecoará para sempre na figura do carismático personagem.

Eu concordaria com qualquer pessoa que dissesse que “Superman - O Filme” é um filme complicado de se defender. Esse momento em que os efeitos visuais mais vistosos combatem entre si (e tão somente os efeitos) definitivamente não é a época para humor cartunesco, romantismo e um clima épico em torno de um ser que veste suas cuecas por cima das calças.

Porém, peço aos leitores que olhem mais de perto. O que conseguiria tornar um filme tão propenso ao fracasso e mediocridade em um filme digno e ciente de si e de seu herói, que abraça o ridículo de maneira tão empolgante e solene como se o ridículo não estivesse lá. O que faz com que essa experiência cinematográfica pudesse ainda ser citada e comparada a filmes tecnicamente superiores, mas ainda carentes dessa paixão incondicional, como “Superman - O Retorno” e “Homem de Aço”?

Não há dúvidas que o tema composto por John Williams transforma qualquer cena com potencial vergonhoso em um clássico instantâneo. Porém, “Superman Returns” possui a mesma canção solene, mas parece ter perdido algo durante essa transição. Não é, portanto, fruto apenas de uma trilha sonora bem sucedida que o original se mantém.

Olhe atentamente para Clark Kent e me diga o seguinte: mesmo sabendo que ele é o Homem de Aço com óculos, é apenas isso que o separa do ser alienígena? Os ombros arqueados, o tique de sempre estar empurrando os aros, a voz fina que mal consegue balbuciar uma frase sem ser interrompido. O esforço da interpretação não fica só no tom solene ao vestir aquelas roupas coloridas. Há um personagem interpretando outro em Superman, e é isso que Chris Reeve faz com uma desenvoltura que torna tudo fácil (como se espremer ao tentar abrir uma garrafa).

Em contraparte, não há como negar os esforços do diretor Richard Donner em tentar tornar as cenas de voo (a chamada principal para o filme na época era “Você vai acreditar que o homem pode voar”) e torná-las leves e poéticas. É um marco nos efeitos visuais, mesmo hoje tendo sido ultrapassado. Já a lenda, essa parece que está longe de ser. Todos os trabalhos futuros devem se render e se deixar influenciar pelo primeiro grande filme sobre um super-herói.

Superman: o Filme ● Superman O Filme. Superman (USA, 1978). Dirigido por Richard Donner. Escrito por Jerry Siegel, Joe Shuster, Mario Puzo, Mario Puzo, David Newman, Leslie Newman, Robert Benton, Tom Mankiewicz. Com Marlon Brando, Gene Hackman, Christopher Reeve, Ned Beatty, Jackie Cooper, Glenn Ford, Trevor Howard, Margot Kidder, Jack O'Halloran. ● Nota: 5/5. Categoria: movies. Publicado em 2010-08-12. Revisto em 2013. Texto escrito por Caloni. Quer comentar?