Um Homem Misterioso

Caloni, November 19, 2010

External image

A quebra inicial do filme de romance com o casal juntos no quarto, íntimos, e o tiro que ele dá na cabeça da amante, além de impactante, dá o tom exato da vida desse homem do título, que deve sempre se manter fechado a relacionamentos. Cortes rápidos nas cenas de tiro, como o corte dele atirando no segundo sueco que aparece no filme, pelas costas, ou ele virando para atirar no seu contratante, essa cena sem corte. Sem contar as inúmeras vezes em que a neurose do personagem é transmitida diretamente para nós, como na cena da vespa estourando o escapamento, ou o livro caindo da cama no meio da noite, e até mesmo os pés do personagem no escuro, com ele deitado, deixam o espectador sempre em constante tensão. O primeiro diálogo com o padre, sobre o fato dele ser americano e fazer questão de esquecer o passado e tentar viver no presente, é emblemático e tão bem colocado, por possuir um significado oculto, que parece até feito de mentira. Mas convence.

São esses tipos de diálogo que fazem do filme uma experiência sempre interessante e nunca clichê, pois tentamos, juntando pistas aqui e lá, entender a vida do protagonista.

O filme é criado a partir de pequenas cenas e diálogos, mas que juntas, fazem esse negócio de dar pistas sobre quem é esse homem. Usando ângulos em comum, mas que sempre capturam mais do que demonstram (a dedicação em montar a arma deixa a faca espetada na mesa até terminar de montá-la) faz sentido usar uma resolução tão larga de tela. Com detalhes que podem até parecer imperceptíveis e ocasionais, quando o carro sai para o piquenique, vemos de relance a pequena bolsa que ela carrega a arma em seu colo, e o fato dela ser rosa não é por acaso (pode ser vista até de relance).

E, finalmente livre, ele consegue chegar no rio, onde sua amada o espera, e lá padece; o último corte chega a ser poético, pois foca, mas bem de leve, a borboleta de outra cena subindo no céu.

Um Homem Misterioso ● Um Homem Misterioso. The American (USA, 2010). Dirigido por Anton Corbijn. Escrito por Rowan Joffe, Martin Booth. Com George Clooney, Irina Björklund, Lars Hjelm, Björn Granath, Johan Leysen, Paolo Bonacelli, Giorgio Gobbi, Silvana Bosi, Thekla Reuten. ● Nota: 5/5. Categoria: movies. Publicado em 2010-11-19. Texto escrito por Caloni. Quer comentar?