Ninguém Tá Olhando

2019-12-02, 319 words, 2 minutes

É gostoso assistir a uma série nova e sua ideia fresca, com algumas sacadas que revisitam temas anteriores, mas sob um novo olhar: o olhar brazuca. É assim que chega Ninguém Tá Olhando na Netflix, um trabalho conjunto entre uma cineasta de curtas documentais de aspecto social (Carolina Markowicz), o autor da terrível série 3% (Teodoro Poppovic) e um editor de filmes com forte fundo social, como Tropa de Elite e Cidade de Deus (Daniel Rezende), que justamente por conta de seus criadores e do formato televisito da rede de streaming vira uma maçaroca de dar dó já no seu terceiro episódio.

Narrando uma história confusa sobre um sistema burocrático de anjos criados por Deus em uma repartição pública dos céus, Ninguém Tá Olhando sonha desde o começo em ser uma série tão eterna quanto seus seres alados e engravatados, mas apesar de suas boas ideias iniciais, como quatro regras que os anjos não podem violar, semelhante aos dez mandamentos dados aos humanos, ambas as listas criadas para serem desobedecidas, ou todo o mecanismo por trás da escolha dos pares entre anjos e humanos que serão ajudados pelos primeiros, o fato é que a lógica desmorona tão rápido quanto começa.

Por exemplo, ao descobrir que o sistema de escalação de anjos é algo completamente aleatório e não está sob controle divino, nós, espectadores, imediatamente nos perguntamos por que os mesmos anjos, então, continuam sendo escolhidos para os mesmos humanos (como o rapaz que gosta de jogar video-game e se masturbar, a cargo do anjo novato criado para explicar todo o sistema a nós). E depois de explicar tantas regras por trás do funcionamento deste além-mundo, elas vão sendo quebradas uma a uma e sem uma forma fácil do espectador entender o que pode acontecer, tornando as possíveis consequências convenientes aos olhos dos roteiristas e igualmente aleatórias.

Será que um rato está por trás da escrita do roteiro desta série?

Ninguém Tá Olhando. "Ninguém Tá Olhando" (Brasil, 2019), escrito por Carolina Markowicz, Teodoro Poppovic e Daniel Rezende, com Kéfera Buchmann, Danilo de Moura e Victor Lamoglia. Netflix. Nota: 1/5. Categoria: blog. Publicado em 2019-12-02. Quer colaborar?