A Marcha dos Pinguins

2019-01-20 · 2 · 352

Este ainda é um rascunho publicado prematuramente e está sujeito a mudanças substanciais.

Um documentário sobre o pinguim imperador, que vive no polo sul e que possui um frágil mecanismo para se reproduzir, que requer o comprometimento do macho e da fêmea da relação. A diferença? O filme é narrado como uma historinha contada por uma dessas famílias de pinguins.

O resultado é extremamente fofo por se tratar de criaturas adoráveis, e piegas, porque é uma produção francesa que adora poetizar as coisas com frases rasas que só impressionam garotas que querem ser impressionadas. Bom, é só notar o título original (A Marcha do Imperador) para entender esse misto cultural francês entre reverência ao monarquismo com toques pós-revolução.

Mas por trás das filmagens há os verdadeiros heróis: a equipe de filmagem, que participa de todo o processo de migração das aves até um local seguro, a fecundação e proteção dos ovos, passando pela sobrevivência no meio de tormentas e um frio e noite intermináveis. É preciso acompanhar cada evento, que se divide em o que os machos e fêmeas precisam fazer, como um buscar comida enquanto o outro protege o ovo. Sem dar muitos spoilers, imagine que é preciso de uma dedicação admirável para criar um documentário completo como esse.

A grande virtude do longa é de fato tratar isso como uma história, com seus momentos de tranquilidade e de tensão. A edição da dezenas de horas de filmagem passaram por um processo criterioso, onde só ficou a parte que consegue dizer mais sobre a história e movê-la adiante. Uma produção modesta de 8 milhões virou um sucesso de mais de 100. Além de levar, claro, o Oscar de melhor documentário aquele ano.

Outra curiosidade é que o tempo é marcado em luas, o que é natural para criaturas que vivem em um lugar onde dia e noite possuem seis meses cada. Tudo gira em torno daquela criaturinhas, o que torna Marcha Dos Pinguins uma aventura contada sob o ponto de vista dessa espécie com uma tradução competente para a sensibilidade humana. Se você for um pinguim, contudo, talvez não seja bem essa a forma de você enxergar a realidade. Desculpem-nos, e obrigado pelos peixes.

March of the Penguins (France, 2005). Dirigido por Luc Jacquet. Escrito por Luc Jacquet, Michel Fessler, Jordan Roberts. Com Charles Berling, Romane Bohringer, Jules Sitruk, Morgan Freeman, Amitabh Bachchan, Jose Coronado. · IMDB · Letterboxd · More Details · cinema · draft · movies · Twitter ·