As Virgens Suicidas

2019-03-31 · 2 · 354

Este ainda é um rascunho publicado prematuramente e está sujeito a mudanças substanciais.

O primeiro filme de Sofia Coppola, produzido pelo pai, ninguém menos que Francis Ford Coppola, é o debut de uma filhinha de papai que vai melhorando o estilo a cada novo filme, explorando a sofrida vida dos ricos, mas que nesse começa prepotente demais para um dramazinho adolescente cujo drama em si nunca é visto.

A história é exagerada, fala sobre cinco irmãs lindas de um casal conservador em uma época mais conservadora ainda. O começo é um frescor de narrativa, nostálgica e evocativa, mas quando chega o baile da escola não temos certeza se Coppola está zoando com nossa cara ou era para levar a sério. O problema aí é que a personagem de Kirsten Dunst, assim como todas as garotas, se resumem em olhares e bocas. Quase não há diálogo. A frase mais prepotente anuncia um vazio imenso: “você nunca foi uma garota de 13 anos”. OK, e como que é?

Este é um filme que apela para o mistério feminino, já assumindo que isso existe como um fato incontestável. A narração e o ponto de vista é de garotos extasiados pela beleza de suas vizinhas. Nunca é possível entender essa história muito a fundo, exceto se você considerar que por eu ser homem nunca irei compreender o universo das garotas adolescentes, mas as meninas, sim, possuem a chave para o código morse de seus corações.

Todo o glamour da produção pode ser visto em uma fotografia de época e uma bela trilha sonora. Danny DeVitto faz uma ponta tão pequena que começo a pensar que este filme era para ser o clube da Luluzinha, mas como Luluzinha não tem nada interessante para falar, olhe nos olhos dessas garotas. Não são lindas?

Este é um preparativo da diretora/roteirista para filmes mais ambiciosos na narrativa, como Encontros e Desencontros, Bling Ring e tantos outros que realmente captam o universo fútil, opressivo e niilista dos ricos e famosos. Mas antes mesmo disso ela já ganha prêmios por Virgens Suicidas (Cannes). Sabe como é, por ser filha do Coppola e por ser mulher. Entenda isso como os prêmios de hoje em dia para os negros.

The Virgin Suicides (United States, 1999). Dirigido por Sofia Coppola. Escrito por Jeffrey Eugenides, Sofia Coppola. Com James Woods, Kathleen Turner, Kirsten Dunst, Josh Hartnett, Michael Paré, Scott Glenn. · IMDB · Letterboxd · More Details · cinema · draft · movies · Twitter ·