Batman Begins

2019-03-27 · 3 · 520

Este ainda é um rascunho publicado prematuramente e está sujeito a mudanças substanciais.

Batman Begins hoje é óbvio, mas para entender a verdadeira força desse reboot você precisa relacionar com um outro filme chamado Batman e Robin. Assista esse. Eu espero. Esse é o tamanho do gap que se formou entre as duas franquias.

Este é um filme que não apenas respeita a origem do herói da DC como mostra coisas que nunca vimos por completo nos quadrinhos, como a morte dos pais do jovem Bruce Wayne. É um trabalho completo que peca por não confiar no espectador e por ter todas as suas respostas mastigadas, além da incapacidade emocional típica dos trabalhos de Christian Nolan e David S. Goyer, mas agora devemos nos lembrar que é um blockbuster e inspirado nos quadrinhos. E você sabe como esse pessoal de quadrinhos pode ser lerdo ou querer os detalhes literais.

Christian Bale é o Batman mais completo dos cinemas, e por isso mesmo o mais boring, no sentido de previsível. Mas este é um roteiro de cartas marcadas, como toda origem deve ser. É o início de uma lenda, e como todo filme de origem, ele precisa começar tudo do zero e explicar ou reexplicar o incompreensível: por que alguém se veste de morcego e sai por aí se pendurando nos prédios e falando esquisito? Não ficamos sabendo, o personagem já existe. Agora em nova roupagem.

E é essa a verdadeira força de Batman Begins. Esqueça o pseudo-realismo digital de uma Ghotan representando as injustiças do mundo e suas consequências. Esqueça as lutas físicas e os apetrechos militares usados pelo anti-heroi. Batman é o símbolo de alguém que quer fazer alguma coisa, qualquer coisa, para melhorar o mundo. Ele parte dos seus medos e traumas de infância e usa suas montanhas de dinheiro e dedicação sobrenatural para conseguir. Ainda é um personagem de quadrinhos, mas que personagem!

Nos esquecemos por um momento da verossimilhança que o filme tenta passar. Ele nos engana por tempo o suficiente, uma hora para ser exato, antes que Bruce Wayne coloque sua capa e sem semblante assustador aterrorize os únicos que não sentem medo: os criminosos. O roteiro mantém algumas frases na manga para a segunda metade, onde os diálogos se repetem sob um novo prisma, e quando elas são ditas de novo é quando a lenda já começa a ser conhecida pelo povo de Ghotan.

Assim como Superman de Richard Donner e Homem-Aranha de Sam Raimi nasce uma lenda do Cinema, e não rimos dela, mas com ela. Essa é a mágica de super-heróis bem desenvolvidos sem toda aquela reverência boba dos filmes de hoje em dia da Marvel e da DC. São pessoas fantasiadas para o Carnaval, pelo amor de deus. Que haja uma forma de contextualizar isso no mundo real.

Esse trabalho de Nolan faz isso, e o faz de uma maneira que nos torne novamente fãs do homem-morcego sem nos esquecermos das diferenças de tom com os antecessores ou dos quadrinhos. O universo de heróis permite isso, e aqui a mudança de tom é usada para explorarmos um tema maior que a própria lenda: a origem da justiça. E aqui de verdade, ouviu Ben Affleck?

Batman Begins (United States, United Kingdom, 2005). Dirigido por Christopher Nolan. Escrito por Bob Kane, David S. Goyer, Christopher Nolan. Com Christian Bale, Michael Caine, Liam Neeson, Katie Holmes, Gary Oldman, Cillian Murphy. · IMDB · Letterboxd · More Details · cinema · draft · movies · Twitter ·