Conto de Inverno

Um dos filme da quadrilogia do proficiente Éric Rohmer (As 4 Aventuras De Reinette E Mirabelle), Charlotte Véry está leve e tresloucada em um papel de mãe solteira dividida entre três amores: dois presentes não lhe bastam, um ausente é sua razão de viver.

Este é um filme moderno, de relacionamentos abertos e uma mãe que, diferente das de hoje em dia, não vira serviçal de sua criança. Rohmer adota uma postura quase que relapsa na condução dos seus atores e das próprias tomadas, mas com isso ganha um certo charme e simplicidade que remetem à vida cotidiana da capital da França ou da visão bucólica e vazia de uma cidade do interior. Com a narrativa em cortes rápidos a história pode avançar em cinco segundos, e com uma verborragia típica de intelectuais pode nos levar a discussões filosóficas cheias de conclusões a la francesas, vazias de substância, mas que soam profundas quando ditas. Duas formas diferentes de passar o tempo.

Charlotte faz Félicie, uma mulher que viveu o grande amor e o perdeu por um lapso de memória. Este é o filme para descobrirmos com quem ela vai ficar no final, e a comédia surge quando descobrimos que ela toma grandes decisões depois de refletir por dois minutos.

Wanderley Caloni, 2020-02-04 00:00:00 +0000

movies discuss