Contra Todos

Wanderley Caloni, 2019-08-31.

Dos mesmos produtores de Cidade de Deus, este é um filme em que os personagens do roteiro foram sendo contruídos na preparação de elenco. Não é um elenco de primeira, mas o resultado sim, e mais realista do que se os papéis fossem entregues para celebridades. O resultado é visceral pela história, realista pelos diálogos e potencialmente um quase documentário ficcional.

A história se passa em São Paulo, capital, e essas pessoas vivem suas vidas de pobre como em qualquer megalópole: moram longe do centro urbano, mas estão sempre por lá. A religião e a violência são pauta para análise dessa família disfuncional onde o pai bate na filha adolescente e a madastra é tem uma lascívia incontrolável quando o marido não está em casa, mas cortejando uma evangélica que conheceu no culto.

Contra Todos é um retrato fiel da sociedade contemporânea de vários ângulos. A câmera, com baixa resolução e tremendo como as de telejornal, passeia pelos cenários praticamente reais, e seus elementos do cotidiano: um ferro velho de passar, o leite com café e açúcar de manhã, as conversas fiadas que escondem o que não se deve falar na mesa.

O que fascina mais é apenas observar o dia-a-dia dessas pessoas, e não necessariamente a crítica social à sua moral. Até porque o filme adota uma narrativa naturalista, onde as decisões que cada um toma faz sentido dentro do seu microcosmos, e por isso não há necessariamente mocinhos e vilões, ou são todos vilões do nosso ponto de vista que julga qualquer comportamento fora do normal. O objetivo nem é chocar pelo aspecto cru de seus personagens, mas pelo modo realista de encará-los.

Há sexo realista, violência realista e diálogos realistas. Contra Todos é quase um documentário se for analisada sua atmosfera, mas mesmo assim ainda exibe um pouco de estrutura, principalmente no final, quando as pontas vão se amarrando e reviravoltas acontecem. Na vida real não há tantas reviravoltas. Eu poderia viver muito bem sem nenhuma, e assistiria esse filme mesmo se ele tivesse seis horas.

draft movies discuss