O Sequestro

Wanderley Caloni, escrito para Cinemaqui, 2017-08-28.

O Sequestro consegue caminhar por todos os clichês dos filmes do gênero sem tropeçar em nenhum deles. Na verdade ele parece que pisca para o espectador em alguns momentos, de tão óbvia a situação. É como se antes de acontecer algo imaginássemos: "aqui sempre acontece tal coisa". E quando não acontece, eis a recompensa do filme. Iniciando com uma sucessão de pequenos vídeos caseiros que retratam o nascimento e o crescimento do pequeno Frankie (o insuportavelmente mimado Sage Correa) até a idade de seis anos, quem veremos mais durante todo o filme é sua mãe (Halle Berry), que é uma garçonete divorciada que batalha todos os dias para conseguir ter algum tempo junto de seu filho.
draft movies cinemaqui discuss