Os Pinguins do Papai

2011-07-04

Este ainda é um rascunho publicado prematuramente e está sujeito a mudanças substanciais.

Sinopse: A vida de um homem de negócios começar a mudar após ele herdar de seu pai seis pinguins. Conforme ele avança em sua vida pessoal, sua vida profissional começa a despencar.

Odeio falar mal dos filmes que não gosto, mas Os Pinguins do Papai é fraco, oportunista e covarde.

Fraco porque não consegue de fato criar um arco dramático que se preze. Se no começo enxergamos Mr. Popper como um vendedor sem escrúpulos, quando ele começa a conviver com os pinguins enxergamos, na verdade, o mesmo Mr. Popper coagido pela sua família, especialmente os filhos, a quem tenta agradar sempre sem sucesso. Mesmo que isso seja um ótimo tema para comédia, ela não chega a decolar, tamanha a fascinação do diretor em focar as gracinhas dos seis (sete com Popper?) pinguins em cena.

Oportunista porque se aproveita do fato dos pinguins estarem na moda (nada contra, vide Happy Feet) e os traz à tona apenas para transformar um roteiro fraco em no máximo um filme awwww (e nem assim ganha do magnífico Os Bebês). E apenas para ilustrar, tente se lembrar das cenas que você mais gostou e veja se consegue achar alguma que não tenha pinguins ou piadas tão “aprimoradas” quanto as boladas das comédias da dupla Adam Sandler e Dennis Dugan (ou do próprio Jim Carrey em momentos menos inspirados de sua carreira).

E, enfim, é Covarde porque simplesmente parece não conseguir finalizar a história sem deixar todos felizes (e acompanhados). E se na cena final eu até consigo fazer um paralelo com as novelas globais, tenho certeza de que não há mais nada abaixo desse nível que mereça ser visto.

Dito isto, que venha Happy Feet 2.

link cinema draft movies