Para Sempre Alice

2015-02-14

Este ainda é um rascunho publicado prematuramente e está sujeito a mudanças substanciais.

No decorrer do filme esqueci completamente de Julianne Moore. Sim, é claro que a atriz estava ali, e não é difícil capturar seus trejeitos característicos. Porém, determinada em criar uma personagem unidimensional que representasse a espécie humana como seres individuais e efêmeros, apenas Alice existia, e deixava de existir, assim como cada um de nós. A diferença entre nós e Alice simplesmente é o ritmo. Todos nós iremos nos extinguir. Nossas memórias, pensamentos, sentimentos e aquele “algo a mais” que podemos ou não acreditar irão evaporar em átomos que não conterão sequer uma pista do que foram no passado: aquele ser orgânico dotado de consciência e raciocício só existiu por um momento.

A crítica completa foi escrita para o site CinemAqui. Você deve encontrá-la pesquisando por lá.

link cinema draft movies cinemaqui