Pari

Wanderley Caloni, escrito para Cinemaqui, 2020-10-25.

Não é à toa que o cinema iraniano vira estereótipo de filme que a crítica adora: são os amantes da estética contra os amantes da emoção. No entanto, o clichê de filme iraniano reza de que ele deve ser parado, e não é isso que acontece em Pari, um trabalho tenso, compenetrante, que não nos deixa desviar o olho da tela nem por um segundo. Os únicos momentos para respirar servem como reflexão do que aconteceu até agora, para logo seguir adiante.
cinemaqui movies