Quero Ser John Malkovich

2019-06-17 · 2 · 425

Este ainda é um rascunho publicado prematuramente e está sujeito a mudanças substanciais.

Nessa época Charlie Kaufman ainda estava explorando mais as ideias do que lustrando o roteiro, mas ainda assim… que filme! Uma ode à insignificância de nossos corpos, e até de nossas almas, inultimente pulando de corpo em corpo, na esperança de encontrar algo além do que nossos próprios corpos provêm.

O diretor Spike Jonze realiza aqui o roteiro de Kaufman com afinco. Note como os atores, John Cusack e Cameron Diaz, realizam os melhores papéis de suas carreiras, pois são atores rasos e é exatamente isso o que o material pede aqui. Jonze os enfeia como bonecos de titeragem e em alguns momentos não sabemos a diferença entre eles e sua busca pelo amor no outro e suas versões em boneco. Aliás, sabemos, sim: os bonecos e seus movimentos são mais intensos.

Usando como pano de fundo o universo de um titereiro e explodindo esse tema para o mundo real, Quero Ser John Malkovich não só consegue ser um filme completamente original pelas suas… inusitadas ideias, como o andar 7 e 1/2, explicado como criado para pessoas muito pequenas (a analogia com bonecos de títeres é inevitável). Essas ideias estão juntas para alimentar nosso inconsciente de maneira orgânica, sendo que a originalidade não é gratuita e possui sempre um significado dentro do universo onde a história se passa. Ao abrir a pequena porta que dá vazão ao mundo de outra pessoa, há uma toca que lembra Alice no País das Maravilhas. Pequenos detalhes como esse transformam BJM (Being John Malkovich) em uma obra de arte que atinge seu esplendor em explorar sua ideia de todas as formas possíveis.

Mais inacreditável, porém, é que os conceitos cabem como uma luva em seus personagens, cujos conflitos são introduzidos de maneira simplista, que é exatamente a forma como o roteiro os encara. Aliás, não só o roteiro, como todo o trabalho de arte, notadamente a maquiagem, se esforça para apresentar as pessoas como verdadeiros títeres de carne-e-osso, vazios por dentro e toscos por fora. Quando isso fica claro para o espectador, o que ocorre depois da descoberta do portal que leva a pessoa para a consciência de John Malkovich, por mais absurda que seja a premissa, soa natural para aqueles personagens.

O roteiro de Charlie Kaufman é tão original que toda cena empolga apenas por suas ideias atingindo um novo nível de loucura. Apenas por isso, já mereceria constar na lista de filmes a se ver, rever e estudar. E há tantas ideias trabalhando juntas que precisamos de diferentes reencarnações para aproveitá-las. Deixe passar o tempo e reveja.

Being John Malkovich (United States, 1999). Dirigido por Spike Jonze. Escrito por Charlie Kaufman. Com John Cusack, Cameron Diaz, Ned Bellamy, Eric Weinstein, Madison Lanc, Octavia Spencer. · IMDB · Letterboxd · More Details · cinema · draft · movies · Twitter ·